AGOSTINHO DE HIPONA VERSUS DONATISTAS: ESTIGMATIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO POTENTIA IMPERIUM A SERVIÇO DA ECCLESIA

Marcelo Serafim Souza, Flávio Schmitt

Resumo


Este artigo acadêmico pretende analisar como Agostinho, bispo de Hipona, portando-se como aguerrido defensor da ortodoxia, estigmatizará os Donatistas e, incontinenti procurará legitimar, por meio dos seus discursos, o uso da violência imperial contra estes. Partimos da hipótese de que, para alcançar este fim, ele procurou construir uma representação estigmatizante dos seus adversários que permitia justificar as ações do poder civil contra os mesmos. Com base em um exagerado rigorismo, por parte de Donato e seus asseclas à abjuração de muitos cristãos, nos tempos de ferrenha perseguição imperial a estes, mormente a apostasia de alguns bispos, diáconos e presbíteros que, foram alcunhados de traditores pelos donatistas, exsurge a celeuma havida entre Agostinho e os donatistas, mormente no que atine ao cisma por estes perpetrado na igreja católica do norte da África, que culminou na formação de uma poderosa igreja rival. Dessarte, trata-se de um estudo bibliográfico que, tem como objetivo discutir o protagonismo teológico de Agostinho no conflito com Donato.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35521/unitas.v8i2.2459

Apontamentos

  • Não há apontamentos.