Enjeitados e expostos na Península Ibérica: a assistência aos pequenos desvalidos na Idade Moderna

Thiago Nascimento Torres de Paula

Resumo


O objetivo deste artigo, é discutir o processo de assistência aos recém-nascidos enjeitados e expostos no território da Península Ibérica, especificamente no período que correspondeu a Idade Moderna. Nota-se que em temporalidades passadas os termos enjeitado e expostos eram sinônimos, não havendo a utilização da palavra abandonado para se fazer referência a um recém-nascido que tinha sido deixado em um logradouro, casa, caminho ou igreja. Agora, o processo social de enjeitamento de crianças nos espaços de Portugal e Espanha foi uma realidade datada desde a Idade Média, envolvendo ações dos Estados e da Igreja Católica. A pesquisa foi fundamentada em um exame bibliográfico, que envolveu dicionários portugueses, brasileiros, espanhóis setecentistas e oitocentista, autores europeus e latinos da contemporaneidade. Por último, foi possível detectar uma mudança de sensibilidade do Estado e da Igreja Católica quanto a realidade dos recém-nascidos enjeitados.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35521/unitas.v7i2.1697

Apontamentos

  • Não há apontamentos.