O lugar da espiritualidade no cuidado da adicção química a partir da trajetória de padre Haroldo Rahm, SJ

Renan Baptistin Dantas

Resumo


O legado de cuidado da dependência química, trata-se de uma linha marcante na trajetória de vida do padre jesuíta Haroldo J. Rahm. Informados pela perspectiva que segue trajetórias individuais com a intenção de reconstruir percursos e processos socioculturais, privilegiamos sua trajetória em particular como um fio condutor para melhor compreendermos o lugar da espiritualidade, como ela se constrói e é gerida no processo de tratamento e prevenção da dependência química. Segundo a linha teórica psicológica e terapêutica costurada por padre Haroldo, aplicada em sua obra institucional e paradigmática dentro do movimento das Comunidades Terapêuticas (CTs), a espiritualidade é um tipo de tratamento eficaz à dependência química, que produz cura da drogadicção e a manutenção da sobriedade. Portanto, reconstituímos um percurso de experiência e produção de ações ligadas ao cuidado da dependência química através da biografia de padre Haroldo, assim como pontuamos o lugar da espiritualidade neste processo.


Texto completo:

PDF

Referências


CARRANZA, Brenda. Renovação Carismática Católica: origens, mudanças e tendências. Editora Santuário, 2000.

CERCHIARO, Romina M. Uma só palavra – O legado de Padre Haroldo para o tratamento da dependência química. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

DANTAS, Renan B. Catolicismo, jesuitismo e yoga cristã através da trajetória de padre Haroldo J. Rahm, SJ. Monografia em ciências sociais/IFCH. Campinas, 2018.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo, SP: Perspectiva, 1979.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes antropológicos, v. 18, n. 37, p. 25-44, 2012.

KOFES, Suely. Experiências sociais, interpretações individuais: histórias de vida, suas possibilidades e limites. Cadernos Pagu, 2007.

MOMM, Nilo (Org.) Pastoral da Sobriedade: pronunciamentos da Igreja. São Paulo: Edições Loyola, 2000, p. 75.

MELTON, J. Gordon. Programas de Doze Passos e a Nova Era. São Paulo: Editora MAKRON Books, 1999.

RAHM, Haroldo J. Cristo não aceitou tóxicos. São Paulo: Edições Loyola, 1984.

RAHM, Haroldo J. Esse Terrível Jesuíta!. São Paulo: Loyola; 2011.

RAHM, Haroldo J; TURRI, Carolina. Comunidades terapêuticas: Etapas do tratamento. São Paulo: Edições Loyola, 2018.

RUI, Taniele. A inconstância do tratamento: No interior de uma comunidade terapêutica. Dilemas-Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 3, n. 8, p. 45-73, 2010.

TARGINO, Janine. Comunidades Terapêuticas Religiosas: estudo de caso sobre uma comunidade pentecostal e uma comunidade católica carismática. Revista Café com Sociologia, v. 6, n. 2, p. 314-334, 2017.

TINOCO, Rui. Comunidades terapêuticas livres de drogas–da intervenção ideológica à intervenção psicoterapêutica. Toxicodependências, v. 12, p. 21-30, 2006.

WEBER, MAX. Ética econômica das religiões mundiais: Ensaios comparados de sociologia da religião. Petrópolis: Editora Vozes, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.20890/reflexus.v13i21.958

Apontamentos

  • Não há apontamentos.