Quando Animais Ajudam os Santos

Guilherme de Figueiredo Cavalheri

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar uma proposta de estudo do cristianismo primitivo tomando o folclore como uma categoria cultural e semiótica, a partir das propostas de Eleazar M. Mieletinski e Vladímir I. Propp. Discutimos, na primeira parte do texto, o conceito de folclore como expressão da cultura popular do Mediterrâneo antigo, destacando o conto maravilhoso como seu gênero narrativo privilegiado. Na segunda parte, realizamos um exercício de análise, a partir teoria morfológica de Propp, buscando relações estruturais entre os Atos de Paulo e Tecla e o Martírio de Paulo, a partir da hipótese de que ambos se constituem como variantes de um mesmo conto folclórico. Por fim, no último tópico, analisamos as relações de conflito entre tradições de memória paulina expressados nos textos e, de modo especial, como a presença de animais ajudadores funcionam como articuladores de identidade em meio a essas disputas de memória.


Texto completo:

PDF

Referências


AELIAN. On the characteristics of animals II. Books VI-XI .Trans. A. F. Schofield. Cambridge: Harvard University Press, 1959.

AULO GÉLIO. Noches Áticas I. Libros 1-10. Trad. Manuel-Antonio Marcos Casquero y Avelino Domínguez García. León: Universidad de León, 2006. pp.

BOGATYRIÓV, Piotr; JAKOBSON, Roman. O folclore como forma específica de arte. In: BERNARDINI, Aurora; FERREIRA, Jerusa Pires. (orgs). Mitopoéticas da Rússia às Américas. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

BURRUS, Virginia. Chastity as autonomy: women in the Stories of the Apocryphal Acts. In: Semeia 38. Society of Biblical Literature, 1986.

GILHUS, Ingvild Saelid. Animals, gods and humans: Changing attitudes to animals in greek, roman and early christian ideas. London; New York: Routledge, 2006.

KOESTER, Helmut. Introdução ao Novo Testamento 2: História e literatura do cristianismo primitivo. São Paulo: Paulus, 2005.

MARGUERAT; Daniel; REBELL, Walter. Os Atos de Paulo. Um retrato inabitual do Apóstolo. In: MARGUERAT, Daniel; KAESTLI, Jean-Daniel. O mistério apócrifo: introdução a uma literatura desconhecida. São Paulo: Loyola, 2012.

MIELETINSKI, Eleazar M. A poética do mito. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 1987.

______. Tipologia estrutural e folclore. In: SCHNAIDERMAN, Boris. (org.). Semiótica russa. São Paulo: Perspectiva, 2010.

NOGUEIRA, Paulo. Narrativa e cultura popular no cristianismo primitivo. São Paulo: Paulus, 2018.

OLIVA, Alfredo dos Santos. O grotesco nos Atos Apócrifos de Paulo. In: Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana. n. 73, 2016/2.

PIÑERO, Antonio; DEL CERRO, Gonzalo. (eds.). Hechos apócrifos de los Apóstoles II: hechos de Pablo y Tomás. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 2005.

PROPP, Vladímir I. Morfologia do conto maravilhoso. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1984.

PROPP, Vladímir. As raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SPITTLER, Janet E. Wild kingdom: animals in the Apocryphal Acts of the Apostles. [Tese]. Chicago: The University of Chicago, 2007.

VIELHAUER, Philipp. História da literatura cristã primitiva: introdução ao Novo Testamento, aos apócrifos e aos Pais Apostólicos. Santo André: Academia Cristã, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.20890/reflexus.v12i20.792

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guilherme de Figueiredo Cavalheri

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.