A importância do conceito de pessoa para a compreensão da fé Cristã

Francisco de Assis Souza dos Santos, Julio Cezar de Paula Brotto

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar a importância do conceito de pessoa para a compreensão do Cristianismo. O conceito cristão de pessoa é capital para o enfrentamento da vida e seus desafios na perspectiva cristã. O indivíduo que se entende cristão reconhece a si mesmo como pessoa e não apenas como um mero membro de uma instituição religiosa. O artigo também apresenta a relevância desse conceito para que o fiel não se perca em meio a várias possibilidades que tendem a despersonalizá-lo, seja por doutrinamento, dogmas, tradições, indução ou desconhecimento de sua própria individualidade. Não é tarefa simples pensar o conceito de pessoa, pois não estamos diante de um termo unívoco. Dependendo do lugar a partir do qual este termo seja abordado, pode-se notar uma variação na abordagem, possibilitando inúmeros embates teóricos e conflitos interdisciplinares. Trata-se, inicialmente, de um conceito estranho à filosofia grega, marcada bem mais pela compreensão do universal sobre o particular, da alma sobre o corpo, do espírito sobre a matéria. O ser humano é visto então como o resultado do encarceramento da alma no corpo e a vida terrestre, uma decadência ou momento de passagem. É, pois, na Revelação judaico-cristã que se percebem as bases para o conceito de pessoa. O ser humano, em lugar de ser uma decadência em relação ao uno absoluto, é um ser de relação com o divino. Deus chama o ser humano a livremente estar com Ele, dialogar com Ele, numa atitude que tem como alicerce a liberdade. Esta chamado vale para todos os seres humanos e não apenas para um ou outro escolhido.

 

Palavras-chave: Conceito de Pessoa, Trindade, Cristianismo


Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Santo. A Trindade. São Paulo: Paulus, 1994.

ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 1993.

AQUINO, Tomás. Suma Teológica. O mistério da encarnação. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

BUBER, Martin. EU e TU. 2. ed. São Paulo: Moraes, 1974.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

COMBLIN, José. Antropologia cristã. Petrópolis: Vozes, 1985.

FORTE, Bruno. A trindade como história: ensaio sobre o Deus cristão. Título original: Trinità come storia: saggio sul Dio cristiano. Italia: Edizioni Paoline, Cinesello-Balsamo, 1985. São Paulo: Paulinas, 1987.

GRESHAKE, Gisbert. El Dios Uno Y Trino: una teologia de la Trinidad. Barcelona : Herder, 1997.

HILÁRIO, Santo, Bispo de Poitiers. Tratado sobre a Santíssima Trindade. Coleção Patrística. São Paulo: Paulus, 2005.

REALE, Giovanni. O saber dos antigos: terapia para os tempos atuais. São Paulo: Loyola, 3. ed. 2011.

GARCIA RUBIO, Alfonso. Unidade na pluralidade: o ser humano à luz da fé e das reflexões cristãs. 5. ed. São Paulo: Paulus, 2011.

SESBOÜÉ, Bernard. Dieu et le concept de personne. Revue Théologique de Louvain, Louvain, a. 33, v. 3, p. 321-350, 2002. Disponível em: < https://goo.gl/2Y4aox >. Acesso em: 01 nov. 2014.

SNELL, B. La cultura greca e leorigini del pensiero europeu. Turim: Einaudi, 1963.

TAYLOR, Argumentos filosóficos. São Paulo: Loyola, 2011.

______. As fontes do self: a construção da identidade moderna. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

TILLICH, Teologia sistemática, São Leopoldo: Sinodal, 2005.

VAZ, Henrique C. de Lima. Antropologia filosófica, Loyola: São Paulo, 1992.

______. Escritos de Filosofia I. Problemas de Fronteira. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.20890/reflexus.v13i21.776

Apontamentos

  • Não há apontamentos.