O Evangelho de Marcos como história testemunhal

Sidney Moraes Sanches

Resumo


Na Modernidade, acostumamos a abordar o Evangelho de Marcos pelo viés da historicidade. Desde que ela lida mal com o testemunho, aprendemos a desprezá-lo como má ou falsa História. A obra marcana, todavia, é uma transcrição de testemunhos. Isso exige colocar a questão da relação entre a História e o testemunho, a recuperação do testemunho na História Oral, e o protagonismo do testemunho na contemporaneidade, chamada Era do testemunho e da História imediata. Somente, após, respondemos à pergunta se o Evangelho de Marcos é uma obra histórica e, se seu autor foi um historiador, compositor de uma história testemunhal denominada Evangelho de Marcos.


Texto completo:

PDF

Referências


ACHUGAR Hugo. Historias paralelas/historias ejemplares: La historia y la voz del otro, in: BEVERLEY, John; ACHUGAR, Hugo. La Voz del Otro: testimonio, subalternidad y verdad narrativa. 2ªa. Ed. Guatemala: Abrapalabra, 2002, p. 61-83.

ALMEIDA, Davi da Costa. Hannah Arendt e Walter Benjamin: História, memória e narrativas perdidas. In: Filosofia & Educação, v. 7, n. 3, out. 2015, p. 114-138. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8642033. Acesso em: 18/01/2018.

ARAÚJO, Maria Paula. “Memória, testemunho e superação: história oral da anistia no Brasil”, in: História Oral, Vol. 15, No. 2, 2012, p. 11-31. Disponível em:

BAUCKHAM, Richard. Jesus e as Testemunhas Oculares. Os Evangelhos como testemunho de testemunhas oculares. São Paulo: Paulus, 2011.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas: Magia e técnica, arte e política. 3ª Ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o Ofício de Historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

BRUEGGEMANN, Walter. Teologia do Antigo Testamento. Testemunho, disputa, defesa. Santo André, São Paulo: Academia Cristã, Paulus, 2014,

COLLINGWOOD, Robin George. A Ideia de História. Lisboa: Presença, 1972.

CRUZ CRUZ, Juan. Filosofia de la História. Navarra: EUNSA, 2008.

DUNN, James. Jesus, Paulo e os Evangelhos. Petrópolis: Vozes, 2017.

FELMAN, Shoshana. “Educação e Crise ou as Vicissitudes de Ensinar.” In: NESTROVISKI, Arthur; SELIGMANN-SILVA, Márcio (Orgs.) Catástrofe e Representação: Ensaios. São Paulo: Escuta, 2000, p. 13-71.

HARTOG, François. Evidência da História. O que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HEAD, Peter M. “The Role of Eyewitnesses in the formation of the Gospel tradition”, in: Tyndale Bulletin, Vol. 52, No. 2, 2001, p. 275-294.

LACOUTURE, Jean. “A História Imediata”, in: LE GOFF, Jacques. A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LE GOFF, Jacques. História e Memória.6ª Ed. Campinas: Unicamp, 2012.

RICOEUR, Paul. A Memória, a História, o Esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

_________, Paul. “A Hermenêutica do testemunho”, in: Ensaios sobre a Interpretação Bíblica. São Paulo: Novo Século, 2004, p. 113-145.

SCHOLES, R., KELLOG, R. A Natureza da Narrativa. São Paulo: McGraw-Hill, 1977.

SELIGMANN-SILVA, Márcio Orlando. História, Memória, Literatura. Campinas: Unicamp, 2003.

THOMPSON, Paul. “História oral e contemporaneidade”, in: História Oral, Vol. 5, 2002, p. 9-28.

VALLE, Eduardo Garcia. “História e Literatura de Testemunho: A memória do Holocausto em ‘Os Afogados e os Sobreviventes’, de Primo Levi”, in: Emblemas, Vol. 8, No. 2, jul.-dez, 2011, p. 169-185.




DOI: http://dx.doi.org/10.20890/reflexus.v12i20.728

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Sidney Moraes Sanches

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.