A dessacralização da violência contra as mulheres no altar do patriarcado: reflexões a partir dos conceitos desejo mimético e bode expiatório em René Girard

Abdruschin Schaeffer Rocha, Claudete Beise Ulrich

Resumo


O presente texto reflete sobre a dessacralização da violência contra as mulheres no altar do patriarcado a partir dos conceitos desejo mimético e bode expiatório, expressos no pensamento de René Girard, na relação entre religião e violência. Ele não tratou, especificamente, em seus textos sobre a violência de gênero. No entanto, os conceitos por ele refletidos sobre desejo mimético e bode expiatório podem ser referenciais para entender a sacralização da violência contra as mulheres na sociedade patriarcal e machista brasileira. Uma forma de superar a perspectiva de bode expiatório, a partir do cristianismo, pode ser a releitura bíblica a partir das vítimas, das mulheres violentadas, buscando desconstruir o sistema religioso, machista e patriarcal. Neste sentido, a educação teológica, com referenciais analíticos de gênero na interseção com etnia/raça, classe social, geração e perspectiva feminista, torna-se fundamental no processo de desconstrução de leituras, discursos, práticas religiosas patriarcais, machistas violentas que promovem o desejo concorrente e a criação de bodes expiatórios.

The present text reflects on the unsacralization of violence against women on the altar of patriarchy, based on the concepts mimetic desire and scapegoat, expressed in the thought of René Girard, in the relationship between religion and violence. He did not specifically address his writings on gender violence. However, the concepts he reflects on mimetic desire and scapegoat may be benchmarks for understanding the sacralization of violence against women in Brazilian patriarchal and macho society. One way to overcome the scapegoat perspective, starting with Christianity, may be to read the Bible from the victims perspective, from women who have been violated, seeking to deconstruct the religious, macho and patriarchal system. In this sense, theological education, with analytical gender references at the intersection with ethnicity/race, social class, generation and feminist perspective, becomes fundamental in the process of deconstruction of readings, discourses, patriarchal religious practices, violent sexists that promote desire competitor and the creation of scapegoats.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Gabriel entrevistado por Márcia Junges. Trad. Benno Dischinger. O desafio de ser girardiano. http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4447&secao=393. Acesso em: 20 mar. 2018.

BASTOS, Aguinaldo; CABRAL, Alexandre Marques; REZENDE, Jonas Neves. Ontologia da violência: o enigma da crueldade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2010.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 3. ed. São Paulo: Bertrand, 2003.

BRASIL. Lei no 11.340, de 07 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em 20 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm. Acesso em 23 mar. 2018.

CERQUEIRA, Daniel; COELHO, Danilo Santa Cruz. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde. N. 11. Brasília: IPEA, março de 2014. p. 2-4. Disponível em: https://bit.ly/1gaW4C9. Acesso em 20 mar. 2018.

CERQUEIRA, Daniel; LIMA, Renato Sergio de; BUENO, Samira; VALENCIA, Luis Iván; HANASHIRO, Olaya; MACHADO, Pedro Henrique G.; LIMA, Adriana dos Santos. Atlas da Violência. Rio de Janeiro, junho de 2017. p.36-42. Disponível em: https://bit.ly/2E0IUii. Acesso em 20 mar. 2018.

DAHLBERG, Linda L; KRUG, Etienne G. Violência: Um problema global de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, 11(Sup): 1163-1178, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csc/v11s0/a07v11s0>. Acesso em 20 mar. 2018.

DEIFELT, Wanda. Da cruz à árvore da vida: epistemologia, violências e sexualidade. In: NEUENFELDT, Elaine; BERGESCH, Karen; PARLOW, Mara. Epistemologia, violência e sexualidade: Olhares do II Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião. São Leopoldo: Sinodal/EST, 2008.

DOSSIÊ AGÊNCIA PATRICIA GALVÃO. Cultura e Raízes da Violência contra as Mulheres. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossies/violencia/violencias/cultura-e-raizes-da-violencia/ Acesso em: 15 mar. 2018

FREIRE , Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FURTADO, Maria Cristina S. Violência de gênero: As excluídas da sociedade. Sacrilegens - Revista dos Alunos do Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião – UFJF. Disponível em: https://bit.ly/2kkRufN. Acesso em: 22 mar. 2018

GEBARA, Ivone. O que é teologia feminista. São Paulo: Brasiliense, 2007.

GEBARA, Ivone. Mulheres, religião e poder: ensaios feministas. São Paulo: Terceira Via, 2017.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. Trad. Martha Conceição Gambini; revisão técnica Edgard de Assis Carvalho. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GIRARD, René. Aquele por quem o escândalo vem. Trad. Carlos Nouguê. São Paulo: É Realizações, 2011.

GRAZIOSI, Carmo. René Girard. Disponível em: http://www.acervofilosofico.com/rene-girard/. Acesso em: 20 mar. 2018.

HAAKE, Ione. Mulheres da Bíblia. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 de mar. de 2018.

JARSCHEL, Haidi Jarschel, NANJARÍ, Cecília Castillo Nanjarí. Religião e violência simbólica contra as mulheres. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder, p. 1-8, Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST62/Jarschel-Nanjari_62.pdf. Acesso em 20 mar. 2018.

MACIEL, Pollyanne Rachel Fernandes. A Dinâmica das relações de gênero e a produção da mulher virtuosa no pentecostalismo evangélico. Disponível em: https://bit.ly/2Lpbb2n. Acesso em: 25 mar. 2018.

MOREIRA, Maira adaptação do texto de RÍOS, Marcela Lagarde y de los. Sororidad. In: GAMBA, Susana Beatriz. Diccionario de estúdios de género y feminismos. Buenos Aires: 2009. Disponível em: https://bit.ly/2kj5NBp. Acesso em 25 de mar. 2018.

PETRY, Analídia Rodolpho; MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann. Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 10, n. 1, p. 193-198. jan./jul. 2011. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/7375/6434. Acesso em: 22 abr. 2018.

ROCHA, Abdruschin Schaeffer; OLIVEIRA, David Mesquiati de. Teologia da missão e violência: Superar a violência interna e agir energicamente contra a injustiça. Rev. Pistis Praxis, v. 10, n. 1, 144-166, jan./abr. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2GKlr1f. Acesso em 20. abr. 2018.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero patriarcado violência. 2. Ed. São Paulo: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2015.

SOUZA, Alana Sá Leitão. O Godllywood e a ‘mulher virtuosa’ na IURD. REIA- Revista de Estudos e Investigações Antropológicas, ano 4, volume 4(2):24-38, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2s7Xeg5. Acesso em: 20 mar. 2018.

TIBURI, Márcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

ULRICH, Claudete Beise. Relações de Gênero. In: IECLB: Estudos sobre Gênero. São Leopoldo: Sinodal; Porto Alegre: IECLB, 2013.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Flacso/OPAS-OMS/ONU Mulheres/SPM, 2015 Disponível em: https://bit.ly/2LixlmB. Acesso em: 20 abr. 2018. Veja também: O Dossiê Violência contra as Mulheres. Disponível em: https://bit.ly/2KESRRh. Acesso em: 20 abr. 2018.

WORLD Health Organization. Global consultation on violence and health.Violence: a public health priority. Geneva: WHO; 1996 (document WHO/EHA/ SPI.POA.2).




DOI: http://dx.doi.org/10.20890/reflexus.v12i19.718

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Claudete Beise Ulrich

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.