O DEUS MOISÉS E O PROFETA ARÃO (EX 4,10-17)

Rafael da Silva França

Resumo


Este artigo propõe explicar as designações dadas por Deus a Moisés e Arão em seus comissionamentos (Ex 4,10-17) dentro do contexto histórico do Antigo Oriente, principalmente do Egito. Para tal objetivo, abordamos  as tradições e o contexto literário, cultural, linguístico, religioso e geográfico concernentes ao texto em estudo. Portanto, o texto definido e delimitado é submetido a um crivo que leva em consideração o contexto da narrativa e do ambiente onde se situa tal narrativa, passando a ser analisado e comentado versículo por versículo. Com isso é possível verificar muitas compatibilidades entre aspectos sociais, religiosos e literários do texto bíblico e o ambiente onde ele foi gerado, mostrando a importância da história, dos estudos arqueológicos e das críticas, para uma interpretação teológica eficiente da história do êxodo dos hebreus e seus personagens.

This article proposes to explain the designation given for God to Moses and Aaron in their commissions (Ex 4,10-17) in the social and literary context of the Ancient East, mainly of Egypt. For such objective, it will be carried the traditions and the literary, cultural, linguistic, religious and geographic context related to the text studied. Therefore, the text defined and delimited is submitted to a evaluation that takes in account the narrative’s background and the environment where is located such narrative, then, the passage is analyzed and commented verse by verse. Hence it is also possible to check much compatibilities among socials, religious and literary aspects of the biblical text and environment when it was generated, showing the importance of history, archaeological studies and criticism for a proper interpretation of the history of the exodus of the Hebrews and its characters.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BRIGHT, Jonh. História de Israel. 2.ed. revista e ampliada. São Paulo: Paulus, 2003.

CASSON, Lionel. O antigo Egito. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1969.

COLE, R. Alan. Êxodo: introdução e comentário. 3. reimp. São Paulo: Vida Nova; Mundo Cristão, 1980.

CRÜSEMANN, Frank. A torá: teologia e história social da lei do Antigo Testamento. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DEUS, NOME De. In: TENNEY, Merril C. (org.). Enciclopédia da Bíblia.v.2. São Paulo: Cultura Cristã, 2008. p. 123-127.

DRIOTON, Ètienne; CONTENAU, Georges; DUCHESNE-GUILEMIN, J.As religiões do Antigo Oriente, Sei e creio: enciclopédia do católico do século XX, v.14. São Paulo: Flamboyant, 1958.

ELLIGER, Karl; RUDOLPH, Wilhelm (eds.). Bíblia Hebraica Stuttgartensia. 4. ed. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1997.

FERNANDES, Leonardo Agostini; GRENZER, Matthias. Êxodo 15,22-18,27. São Paulo: Paulinas, 2011.

FERNANDES, Leonardo Agostini. Verbete sobre Pentateuco. Estudos Bíblicos: A Bíblia e a sua mensagem. Rio de Janeiro, 12 de Fevereiro de 2017. Disponível em: . Acesso em: 30/3/2017.

FISCHER, Alexander Achilles. O texto do Antigo Testamento. São Paulo: SBB, 2013.

FRANCISCO, Edson de Faria. Manual da Bíblia hebraica: introdução ao texto massorético: guia introdutório para a Bíblia Hebraica Stuttgartensia. 3. ed. revisada e ampliada. São Paulo, Vida Nova, 2008.

GRENZER, Matthias. As dimensões temporais do verbo hebraico: desafio ao traduzir o Antigo Testamento. Revista Pistis e Práxis, Teo. Pastor, Curitiba, v.8, n.1, p.15-32, jan./abr. 2016. Disponível em: .

______. O projeto do êxodo. 2. ed. ampl. São Paulo: Paulinas, 2007.

KAELIN, Oskar. Gods in Ancient Egypt. Oxford Research Encyclopedia of Religion.Oxford, 11/2016. Disponível em: .

KUNZ, Claiton André. Método histórico-gramatical: um estudo descritivo. Revista Batista Pioneira, v.4, n.1, p.1-18, 2015.

LËVAVO. In: HOLLADAY, William L. Léxico hebraico e aramaico do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2010. p.243.

LIMA, Maria de Lourdes Corrêa. A contribuição da linguística textual para a compreensão dos valores do verbo hebraico. Atualidade Teológica (PUCRJ), Rio de Janeiro, v.5, n.9, p. 229-239, 2001.

MELLA, Federico A. Arborio. O Egito dos Faraós: história, civilização, cultura. São Paulo: Hermes, 1981.

MESQUITA, Antônio Neves de. Povos e nações do mundo antigo: uma história do Velho Testamento. São Paulo: Hagnos, 2001.

PIXLEY, George V. Êxodo. São Paulo: Paulinas, 1987.

PURY, Albert de. O Pentateuco em questão: as origens e composição dos cinco primeiros livros da Bíblia à luz das pesquisas recentes. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

PURY, Albert de; RÖMER, Thomas. Inventário provisório das principais questões que hoje se apresentam à pesquisa sobre o Pentateuco. In: PURY, Albert de. O Pentateuco em questão: as origens e composição dos cinco primeiros livros da Bíblia à luz das pesquisas recentes. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996, p. 72-88.

RENDTORFF, Rolf. Antigo testamento: uma introdução. Santo André: Academia Cristã, 2009.

______. The Problem of the Process of Transmission in the Pentateuch. England: JSOT Press Sheffield, 1990.

RÖMER, Thomas. Os papéis de Moisés no Pentateuco. in: CARNEIRO, Marcelo da Silva; OTTERMANN, Monika ; FIGUEIREDO, Telmo José Amaral de (orgs.). Pentateuco:da formação à recepção: Contribuições ao Vll Congresso ABIB-UMESP. São Paulo: Paulinas, 2016, p. 89-108.

SCHULTZ, Samuel J. A história de Israel no antigo testamento. São Paulo: Vida Nova, 1995.

SELLIN, E.; FOHRER, Georg. Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Ed. Academia Cristã Ltda, 2007.

SILVA, Cassio Murilo Dias da. Metodologia da exegese bíblica. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2009. - (Coleção bíblia e história).

SIMIAN-YOFRE, Horácio. (org.). Metodologia do Antigo Testamento. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011a.

______. Diacronia: os métodos histórico-críticos. In: ______ (org.). Metodologia do Antigo Testamento.2.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011b, p.73-108.

SIMPSON, William Kelly. Royal Stale. In: ______. The Literature of Ancient Egypt: An Anthology of Stories, Instructions, Stalea, Autobiographies, and Poetry. 3. ed. New Haven and London: Yale University Press, 2003, p.335-392.

SKA, Jean Louis. O canteiro do Pentateuco. São Paulo: Paulinas, 2016a.

______. Tendências fundamentais na pesquisa do Pentateuco nos últimos dez anos. in: CARNEIRO, Marcelo da Silva; OTTERMANN, Monika ; FIGUEIREDO, Telmo José Amaral de (orgs.). Pentateuco: da formação à recepção - Contribuições ao Vll Congresso ABIB-UMESP. São Paulo: Paulinas, 2016b, p.13-88.

TOV, Emanuel. The Development the Text of the Torah in Two Major Text Blocks. Mandel Institute of Jewish, Jerusalém, Bible Project (HUBP) - Textus 26: 2016. Disponívelem: .

VAN SETERS, John. The Edited Bible: The Curious History of the “Editor” In: ______. Biblical Criticism. Winona Lake: IN: Eisenbraus, 2006.

VAN SETERS, John.The Genealogy of the Biblical Editor, In: KLOPPENBORG, John S.; NEWMAN, Judith H. (Eds.). Editing the Bible: Assessing the Task Past and present, n.69, Atlanta, GA: Society of Biblical Literature, 2012. p.9-22.

VOGELS, Walter. Moisés e suas múltiplas facetas: do Êxodo ao Deuteronômio. São Paulo: Paulinas, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.20890/reflexus.v12i19.499

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Rafael da Silva França

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.